31 de jul de 2011

Os três pilares da Sustentabilidade

Sustentabilidade Social
Apoia-se no direito que todas as pessoas tem às mesmas condições dignas de viver e se desenvolver.

Sustentabilidade econômica
Apoia-se na necessidade de desenvolvimento econômico seguro.

Sustentabilidade ambiental
Apoia-se na necessidade da natureza de se renovar

Os três pilares da sustentabilidade podem ser explicados separadamente mas, na prática, eles necessariamente caminham juntos.
Segundo o relatório Nosso Futuro Comum, ou Relatório de Brundtland (1987), sustentabilidade é:

" o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades "

Uma ação sustentável motiva a todos pelo retorno financeiro e a consequente melhoria de vida e, por ser sustentável, sempre se renova em um ciclo. Se transportarmos isso para as empresas: a empresa melhora a qualidade de vida do planeta, o que melhora sua imagem junto à sociedade e com isso atrai mais clientes. Cresce, emprega mais pessoas, paga melhores salários ... o ciclo se repete e todos se beneficiam. 

26 de jul de 2011

Oração Pelos Idosos



A ti, meu Deus, elevo minha oração

Por todos aqueles e aquelas que já se sentem
vergados pelo peso dos anos.

Tua providência amorosa permitiu
que se prolongassem os seus dias na Terra.

Meu Deus, agora eles olham para trás
e vêem todo o passado percorrido,
desde as traquinices da infância
até à fragilidade dos derradeiros dias.

Retira toda a amargura dos seus espíritos,
para que se fixem, de preferência,
nas lembranças agradáveis e felizes.

Apaga, meu Deus, qualquer marca de ressentimento
causado pela ingratidão e pela maldade
dos que um dia passaram pelo seu caminho.

Alegra os corações cansados e abatidos.
Proporciona-lhes os meios de reviverem
as alegrias de uma vida normal e associativa.

Meu Deus, afugenta os fantasmas da solidão,
do abandono e do desprezo.

Cerca-os de amparo e de calor humano
no cotidiano em que vivem,
para que possam manter ânimo bem-disposto,
aberto e feliz.

Recompensa, meu Deus, a longa dedicação
que demonstram com a bênção daquela paz
que vem de Ti, e prevalece contra todas
as limitações da idade avançada !

Que assim seja !!

Graças a Deus

Amém!
Arte de Ser Avó


Quarenta anos, quarenta e cinco. Você sente, obscuramente, nos seus ossos, que o tempo passou mais depressa do que esperava.
Não lhe incomoda envelhecer, é claro. A velhice tem suas alegrias, as sua compensações - todos dizem isso, embora você pessoalmente, ainda não as tenha descoberto - mas acredita.

Todavia, também obscuramente, também sentida nos seus ossos, às vezes lhe dá aquela nostalgia da mocidade.

Não de amores nem de paixão; a doçura da meia-idade não lhe exige essas efervescências. A saudade é de alguma coisa que você tinha e lhe fugiu sutilmente junto com a mocidade.
Bracinhos de criança no seu pescoço. Choro de criança.
O tumulto da presença infantil ao seu redor. Meu Deus, para onde foram as suas crianças?
Naqueles adultos cheios de problemas, que hoje são seus filhos, que têm sogro e sogra, cônjuge, emprego, apartamento e prestações, você não encontra de modo algum as suas crianças perdidas.
São homens e mulheres - não são mais aqueles que você recorda.

E então, um belo dia, sem que lhe fosse imposta nenhuma das agonias da gestação ou do parto, o doutor lhe põe nos braços um menino. Completamente grátis - nisso é que está a maravilha.
Sem dores, sem choro, aquela criancinha da sua raça, da qual você morria de saudades, símbolo ou penhor da mocidade perdida. Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho, é um menino que se lhe é "devolvido".
E o espantoso é que todos lhe reconhecem o seu direito sobre ele, ou pelo menos o seu direito de o amar com extravagância; ao contrário, causaria escândalo ou decepção, se você não o acolhesse imediatamente com todo aquele amor que há anos se acumulava, desdenhado, no seu coração.

Sim, tenho a certeza de que a vida nos dá os netos para nos compensar de todas as mutilações trazidas pela velhice.
São amores novos, profundos e felizes, que vêm ocupar aquele lugar vazio, nostálgico, deixado pelos arroubos juvenis.

Aliás, desconfio muito de que netos são melhores que namorados, pois que as violências da mocidade produzem mais lágrimas do que enlevos.
Se o Doutor Fausto fosse avô, trocaria calmamente dez Margaridas por um neto... No entanto! Nem tudo são flores no caminho da avó.
Há, acima de tudo, o entrave maior, a grande rival: a mãe.
Não importa que ela, em si, seja sua filha. Não deixa por isso de ser a mãe do neto. Não importa que ela hipocritamente, ensine a criança a lhe dar beijos e a lhe chamar de "vovozinha" e lhe conte que de noite, às vezes, ele de repente acorda e pergunta por você.
São lisonjas, nada mais. No fundo ela é rival mesmo. Rigorosamente, nas suas posições respectivas, a mãe e a avó representam, em relação ao neto, papéis muito semelhantes ao da esposa e da amante nos triângulos conjugais.
A mãe tem todas as vantagens da domesticidade e da presença constante. Dorme com ele, dá-lhe banho, veste-o, embala-o de noite. Contra si tem a fadiga da rotina, a obrigação de educar e o ônus de castigar.

Já a avó não tem direitos legais, mas oferece a sedução do romance e do imprevisto. Mora em outra casa. Traz presentes. Faz coisas não programadas.
Leva a passear, "não ralha nunca". Deixa lambuzar de pirulito. Não tem a menor pretensão pedagógica.
É a confidente das horas de ressentimento, o último recurso dos momentos de opressão, a secreta aliada nas crises de rebeldia. Uma noite passada em sua casa é uma deliciosa fuga à rotina, tem todos os encantos de uma aventura.
 Lá não há linha divisória entre o proibido e o permitido, antes uma maravilhosa subversão da disciplina.
Dormir sem lavar as mãos, recusar a sopa e comer croquetes, tomar café, mexer na louça, fazer trem com as cadeiras na sala, destruir revistas, derramar água no gato, acender e apagar a luz elétrica mil vezes se quiser - e até fingir que está discando o telefone.
Riscar a parede com lápis dizendo que foi sem querer - e ser acreditado!

Fazer má-criação aos gritos e em vez de apanhar ir para os braços do avô, e lá escutar os debates sobre os perigos e os erros da educação moderna...

Sabe-se que, no reino dos céus, o cristão defunto desfruta os mais requintados prazeres da alma. Porém não estarão muito acima da alegria de sair de mãos dadas com o seu neto, numa manhã de sol. E olhe que aqui embaixo você ainda tem o direito de sentir orgulho, que aos bem-aventurados será defeso.
Meu Deus, o olhar das outras avós com seus filhotes magricelas ou obesos, a morrerem de inveja do seu maravilhoso neto!

E quando você vai embalar o neto e ele, tonto de sono, abre um olho, lhe reconhece, sorri e diz "Vó", seu coração estala de felicidade, como pão ao forno.

E o misterioso entendimento que há entre avó e neto, na hora em que a mãe castiga, e ele olha para você, sabendo que, se você não ousa intervir abertamente, pelo menos lhe dá sua incondicional cumplicidade.

Até as coisas negativas se viram em alegrias quando se intrometem entre avó e neto: o bibelô de estimação que se quebrou porque o menino - involuntariamente! - bateu com a bola nele.
Está quebrado e remendado, mas enriquecido com preciosas recordações: os cacos na mãozinha, os olhos arregalados, o beicinho pronto para o choro; e depois o sorriso malandro e aliviado porque "ninguém" se zangou, o culpado foi a bola mesma, não foi, vó?
Era um simples boneco que custou caro. Hoje é relíquia: não tem dinheiro que pague.

Rachel de Queiroz 

A Envelhescência


Se você tem entre 45 e 65 anos, preste bastante atenção no que se segue.

Se você for mais novo, preste também, porque um dia vai chegar lá. E, se já passou, confira.

Sempre me disseram que a vida do homem se dividia em quatro partes: infância, adolescência, maturidade e velhice. Quase correto.

Esqueceram de nos dizer que, entre a maturidade e a velhice (entre os 45 e os 65) existe a envelhescência.

A envelhescência nada mais é que uma preparação para entrar na velhice, assim como a adolescência é uma preparação para a maturidade.

Engana-se quem acha que o homem maduro fica velho de repente, assim da noite para o dia.
Não!!! Antes a envelhescência!!!

E, se você está em plena envelhescência, já notou como ela é parecida com adolescência?

Coloque os óculos e veja como este novo estágio é maravilhoso:

- Assim como os adolescentes, os envelhescentes também gostam de meninas de 20 anos.

- Os adolescentes mudam a voz. Os envelhescentes também.

- Os adolescentes não têm idéia do que vai acontecer com eles daqui a 20 anos. Os envelhescentes evitam pensar nisso.

Ninguém entende os adolescentes... Ninguém entende os envelhescentes. Ambos são irritadiços, enervam-se com pouco. Acham que já sabem de tudo e não querem palpites nas suas vidas.

Os adolescentes não entendem os adultos e acham que ninguém os entende. Os envelhescentes também não entendem eles.
'Ninguém me entende' é uma frase típica de envelhescente.

Quase todos os adolescentes acabam sentados na poltrona do dentista e no divã do analista. Os envelhescentes, também. A contragosto, idem.
O adolescente adora usar uns tênis e uns cabelos ¿da hora¿. O envelhescente também.

Sem falar nos brincos.
Ambos adoram deitar e acordar tarde.
O adolescente ama assistir a um show de artista envelhescente...

O envelhescente ama assistir a um show de um artista adolescente...

O adolescente faz de tudo para aprender a fumar.
O envelhescente pagaria qualquer preço para deixar o vício.

Os adolescentes fumam escondido dos pais.
Os envelhescentes fumam escondido dos filhos.

A adolescência vai dos 10 aos 20 anos...
A envelhescência vai dos 45 aos 65.

Depois, sim, virá a velhice, que nada mais é que a maturidade do envelhescente.

Daqui a alguns anos, quando insistirmos em não sair da envelhescência para entrar na velhice, vão dizer:
- É um eterno envelhescente. Que bom!!! 

Autoria de Mário Prata
Aqui estão algumas dicas para identificar e aumentar sua auto-estima:

O que é auto-estima?

É a opinião e o sentimento que cada pessoa tem por si mesma.

 É ser capaz de respeitar, confiar e gostar de si. Você está de bem com seu corpo? Saiba agora se está dentro peso saudável.


Dicas para elevar sua autoestima


Melhor caminho para o autoconhecimento: diálogo interno

Características da baixa auto-estima:


- insegurança
- inadequação
- perfeccionismo
- dúvidas constantes
- incerto do que se é
- sentimento vago de não ser capaz de realizar nada >> depressão
- não se permite errar
- necessidade de: agradar
aprovação
reconhecimento



O que diminui a auto-estima?

- críticas e autocríticas
- culpa
- abandono
- rejeição
- carência
- frustração
- vergonha
- inveja
- timidez
- insegurança
- medo
- humilhação
- raiva
- e, principalmente: perdas e dependência (financeira e emocional)

Quando começa a se formar

Na infância. A partir de como as outras pessoas nos tratam. Quando criança pode-se alimentar ou destruir a autoconfiança. Auto-estima baixa geralmente está relacionada a falsos valores. Crença que é necessária aprovação da mãe ou pai.

Dicas para elevar sua autoestima


Para elevar a auto-estima é preciso:

- autoconhecimento
- manter-se em forma física (gostar da imagem refletida no espelho)
- identificar as qualidades e não só os defeitos
- aprender com a experiência passada
- tratar-se com amor e carinho
- ouvir a intuição (o que aumenta a autoconfiança)
- manter diálogo interno
- acreditar que merece ser amado(a) e é especial
- fazer todo dia algo que o deixe feliz. Pode ser coisas simples como dançar, ler, descansar, ouvir música, caminhar.


Resultados da auto-estima elevada

- mais à vontade em oferecer e receber elogios, expressões de afeto
- sentimentos de ansiedade e insegurança diminuem
- harmonia entre o que sente e o que diz
- necessidade de aprovação diminui
- maior flexibilidade aos fatos
- autoconfiança elevada
- amor-próprio aumenta
- satisfação pessoal
- maior desempenho profissional
- relações saudáveis
- paz interior.


MERCADO ACESSÍVEL

De acordo com o Ministério d Trabalho, mais de 143 mil pessoas com deficiência foram inseridos no mercado de 2005 a 2010. Um aumento de 124% em cinco anos.

VICIO EM BAIXA

O brasileiro tem fumado menos. É o que indica uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde,  que aponta que os homens foram os que mais pararam ( o hábito caiu de 20,2% para 17,9%). De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, essa queda pode ter ocorrido em razão da proibição da propaganda de cigarros e à restrição do consumo. 

25 de jul de 2011

A L E R T A !

Alerta! 




È a prática de ingerir remédios, sem receita ou aconselhamento de um médico, ou profissional de saúde qualificado

A importância do cuidador

Com a mudança nas características etárias da população brasileira, sobretudo o aumento da população idosa nos últimos anos e as modificações na família brasileira – diminuição dos seus membros, a saída da mulher para o mercado de trabalho e a multiplicação de domicílios chefiados por mulher – tornam este tema cada dia mais importante. No entanto, são ainda poucas as ações de maior impacto, especialmente do poder público, no sentido de criar medidas de apoio concreto aos cuidadores. Até hoje, mesmo em países mais ricos, a maioria dos idosos, cerca de 95%, continua a ser cuidada pela família.


ENVELHECIMENTO

Aceitar as transformações que ocorrem tanto nos aspectos fisiológicos, psicológicos e sociais na terceira idade é uma das formas de encarar os problemas decorrentes desta fase da vida, de forma a minimizá-los por meio da atividade física, participação na comunidade, passeios e entre outros.


É BOM PRA VOCÊ

É BOM PRA VOCÊ 
Cochilo à tarde é santo remédio
Sabe a dormidinha gostosa depois do almoço? Não é coisa de gente preguiçosa não. Está comprovado que a chamada Siesta (prática que surgiu na Espanha) ajuda a aumentar o aprendizado, a memorização e a concentração.
Pesquisa feita pela Universidade de Harvard mostrou que sonecas diárias de até 45 minutos são suficientes para acordar renovado. O melhor horário é entre 12h e 14h, quando a temperatura do corpo tende a diminuir, estimulando o sono. Além disso, após o almoço o organismo está utilizando muito sangue e trabalhando em ritmo alucinante para fazer a digestão, o que nos deixa mais sonolentos.

Algumas razões para você ter um passatempo


Estamos todos tão ocupados hoje, que quase não tem tempo para um hobby, há algum tempo atrás, as pessoas, colecionavam, selos, caixinhas de fósforo, chaveiros, ou até escreviam poesia mas, parece que isso ficou perdido no passado. Ter um hobby é muito importante para levar uma vida equilibrada. 

Combater o stress Esta é talvez uma das razões mais relevantes e importantes porque você precisa de um passatempo. Nossas vidas cheia de stress com certeza poderia fazer com a pausa refrescante que a prossecução de um hobby pode nos proporcionar. Desenvolver uma personalidade multi-facetada Você pode notar que cada vez mais nossas vidas estão se tornando apenas sobre o nosso trabalho e família. Não há praticamente nada que seja interessante para nós e sobre nós. Perseguir um passatempo irá ajuda-lo a criar uma personalidade multifacetada que as pessoas vão achar interessante. Fazer novos amigos Ter um hobby é uma das melhores maneiras de fazer novos amigos. Quando você tem um hobby, torna-se muito fácil entrar em contato com pessoas que compartilham seus interesses. Você vai descobrir que de repente a sua vida está cheia de pessoas novas e interessantes com quem você pode realmente falar sobre o seu hobby.  Buscar novas oportunidades Quando você começar um passatempo, você traz algo novo em sua vida. Você nunca sabe o que pode levar. Isso poderia levar a muitas oportunidades novas e interessantes como um interesse amoroso ou novas opções de carreira. Sua vida poderia virar completamente por causa de seu hobby. Manter a sua nova vida Quando tudo que você faz é trabalho, sua vida está sempre à beira de se tornar um empecilho. Você está sempre em perigo de stress. Por ter um simples hobby, você pode trazer de volta a inspiração a sua vida e ajudar a mantê-lo relaxado. Ter novas conquistas Se todas as suas realizações são academicas ou relacionadas a trabalho, você tem uma das melhores razões para ter um hobby. Ter um hobby permite que você tenha realizações fora do meio que você sempre viveu (escola e de trabalho) e isso pode fazer maravilhas pela sua auto-estima. É um quebra-gelo Sente-se como se você não tem nada a dizer a ninguém ? Essa é uma das melhores razões pelas quais você precisa de um hobby. Seu passatempo lhe dará algo para falar. Este, por sua vez, irá trazer novas pessoas em sua vida, mesmo aqueles que não partilham necessariamente o seu hobby. Divertimento Você já reparou como a diversão praticamente desapareceu da vida adulta ? Há pouca alegria. Um passatempo vai deixar você ter um monte de diversão e alegria desenfreada e o que o torna tudo valer a pena. Estes são apenas algumas razões pelas quais você precisa de um hobby. Se você pensar sobre isso e olhar para sua vida, você vai encontrar muitas outras razões para achar que ter um hobby é uma ótima ideia. Então, o que você está esperando ? Encontrar algo que você gosta de fazer e vá em frente ! Você já tem um um hobby ?

Depressão e envelhecimento, existe uma relação

Por outro lado, as transformações que o corpo sofre no processo de envelhecimento, podem vir acompanhadas de uma série de desbalanços químicos cerebrais que desencadeiam doenças diversas tais como demências, outros processos degenerativos e também transtornos depressivos.

Muito se tem estudado sobre a depressão, pois é muito comum. Alguns estudos estimam que até 20% da população em algum momento experimentará um episódio depressivo significativo ao longo da vida. As mulheres e os idosos são mais propensos à doença. Além de ser comum, é uma doença mental que costuma ser recorrente e com potencial de causar sérios problemas e limitações para a vida do paciente.
Sabe-se que a depressão não costuma ser um problema com uma única causa. Pode-se ficar deprimido por circunstâncias externas adversas intensas e prolongadas como problemas familiares, luto, desemprego, frustrações, violência, abandono ou por adversidades físicas transitórias ou crônicas, como infarto, acidente vascular cerebral, doenças reumatológicas, câncer etc.
Por todas essas razões, os idosos são mais vulneráveis ao desenvolvimento de quadros depressivos. Por viverem mais, sofrem maior exposição a todas as situações de risco citadas e, além do mais, têm um organismo mais suscetível às alterações cerebrais associadas à depressão.

Ainda que seja comum, a depressão também não pode ser banalizada. É um diagnóstico médico e deve ser avaliada com seriedade. Depressão não é só “estar triste”. Tristeza é um sentimento comum que todos os seres humanos experimentamos. Quando passamos por qualquer situação de perda ou de um desejo não alcançado, é natural sentirmos tristeza. Entretanto, esse sentimento passa a ser patológico, isto é, doentio, quando atinge uma intensidade e/ou um tempo de duração excessivos, ao ponto de comprometer o funcionamento normal da pessoa, ou seja, quando passa a “atrapalha” a vida normal.

No caso dos idosos, a depressão é muitas vezes pouco diagnosticada porque freqüentemente não se apresenta com os evidentes sintomas de perda de prazer pelas atividades antes agradáveis, alterações de sono e apetite e os sentimentos de tristeza marcante. 

Nos idosos, esses sintomas podem ou não estar presentes, mas vários outros também são encontrados: sentimentos de inutilidade e desesperança; sintomas físicos inexplicáveis apesar de os exames serem normais; lentificação dos movimentos e do raciocínio; apatia, alterações de memória e da concentração; irritabilidade, inquietação, indecisão, baixa auto-estima; cansaço intenso, perda de energia; diminuição do desejo sexual, sentimentos de culpa… Além disso, tudo podem surgir sintomas que beiram os delírios, crenças irreais, idéias de falência sobre si mesmo, o desejo de morte e até atos auto-agressivos elaboração do suicídio.

Nem sempre, diante de quadros depressivos em idosos, é fácil diferenciar uma situação de depressão “pura” do início de um processo de demência, por exemplo, de doença de Alzheimer. No início dessa doença os sintomas tendem a se sobrepor. Nessas situações o acompanhamento por um geriatra pode ser muito importante para orientar a família e propor tratamentos individualizados.
Muito se tem a fazer por um idoso com depressão. O tratamento, que inclui remédios – há diversas classes de medicamentos –, deve abordar também as outras esferas do ser humano: o suporte familiar, a prática regular de atividade física, a participação em grupos sociais e religiosos, o desenvolvimento de aptidões artísticas e manuais e a psicoterapia.

Todos esses aspectos do tratamento têm igual importância. Em relação aos remédios, alguns cuidados devem ser tomados: devem ser sempre prescritos pelo médico e o paciente deve seguir as dosagens propostas, referindo ao médico os efeitos colaterais e sendo persistente porque, em geral, os efeitos benéficos só são sentidos após mais de um mês de tratamento.

A depressão é, portanto, uma doença clínica comum, especialmente na população idosa. Precisamos estar atentos ao fato e não atribuirmos tais sintomas ao envelhecimento normal. Esses aspectos precisam ser abordados nas consultas de rotina e, quando tratados, podem melhorar significativamente a qualidade de vida. Afinal, é verdade que a vida se transforma, mas, como diz a canção, “saudade, sim, tristeza, não”!
Por Dra. Luciana Pricoli Vilela, medica especializada em Clínica Geral e Geriatria pela Universidade de São Paulo e membro da Sociedade Brasileira de Clínica Médica e Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia


O Bairro da Mooca em São Paulo, quer tornar-se bairro " Amigo do Idoso "

Projeto de subprefeitura prevê intervenções de calçadas a mobiliário urbano; primeira conferência regional listou as principais dificuldades
Cristiane Bomfim - O Estado de S.Paulo
Aposentado desde 1998, Tino das Neves, de 78 anos, gosta de viajar, mas passa a maior parte do tempo jogando conversa fora com outros idosos no Centro Educacional da Mooca, na zona leste. Costuma chegar cedo para fazer uma caminhada. "Depois, não há muito o que fazer", diz. O bairro onde nasceu e morou a vida inteira está envelhecendo e, mesmo assim, oferece poucas possibilidades de lazer para seus 14.528 moradores com mais de 60 anos.

Essa é uma das muitas reclamações de idosos que a Subprefeitura da Mooca terá de resolver se quiser pôr em prática o projeto Bairro Amigo do Idoso, anunciado semana passada. Com o projeto, a subprefeitura pretende atender às necessidades dos idosos que moram em Mooca, Tatuapé, Brás, Belém, Pari e Água Rasa. Juntos, esses bairros têm 61.352 moradores com mais de 60 anos, segundo o Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - 17,84% do total da população desses distritos.
Na sexta-feira, na primeira Conferência Regional para a Implementação do Bairro Amigo do Idoso, 18 representantes da sociedade civil - todos idosos - listaram os problemas que precisam ser resolvidos para que a iniciativa vire prática.

Além de falta de áreas destinadas e equipadas para a prática de esportes e lazer, eles se queixam das calçadas esburacadas ou com degraus, da iluminação pública, da falta de segurança e ausência de profissionais capacitados para atender idosos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) desses bairros. "Não acho que estamos pedindo muito. Resolver esses problemas é o mínimo que pode ser feito para que o idoso tenha uma vida digna", afirma Shirley Aparecida Mazzei Nubie, de 75 anos.

Shirley é uma das coordenadoras do grupo de terceira idade da Biblioteca Affonso Taunay, que fica dentro do Centro Educacional da Mooca. O local é uma espécie de parque com piscina, quadras e onde funcionam uma UBS e a Subprefeitura da Mooca. "A subprefeitura está aqui dentro e não cuida. Se não tem sinalização de onde ficam os prédios, imagina se vão ter atividades para os idosos", diz Tino Neves, sentado em um dos bancos da parque.

Cuidados. Para a professora da universidade aberta à maturidade da Universidade São Judas, Maria Esmeralda Mineu Zamlutti, a qualidade de vida do idoso depende de fatores que vão da condição econômica a saúde e lazer. "O idoso tem de ser respeitado e compreendido. A expectativa de vida subiu e as pessoas com mais de 60 anos estão saudáveis e ativas. Outras necessitam de cuidados especiais, um direito garantido no Estatuto do Idoso", diz.

Segundo a Subprefeitura da Mooca, o projeto contará com intervenções em sete frentes: calçadas, mobiliário urbano, acessibilidade, cidade limpa e vitrine, bueiros, tapa-buraco, cortiços e defesa civil.
Relatório divulgado em abril deste ano pelo Banco Mundial (Bird) mostrou que o Brasil está envelhecendo muito mais rápido do que os países desenvolvidos. 
O documento "Envelhecendo em um Brasil mais velho" explica que as nações ricas primeiro ficaram ricas e só então envelheceram. 
Nosso país, assim como outros emergentes, está ficando velho antes de ficar rico. O texto cita a França, que levou mais de um século para ter um aumento de 7% para 14% da população acima de 65 anos ou mais, e alerta que o Brasil passará pelo mesmo processo em duas décadas, de 2011 a 2031. 

A população idosa no Brasil, que hoje corresponde a 11% da população em idade ativa, será de 49% em 2050

Hospital das Clínicas recruta cardíacos para tratamento e estudo

FOLHA DE SÃO PAULO


O Hospital das Clínicas busca homens e mulheres com insuficiência cardíaca para um estudo sobre reabilitação cardiovascular em solo e piscina. 

Noventa voluntários de 45 a 75 anos participarão do programa, conduzido por pesquisadores do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. 

Esta é a terceira fase do estudo, que tem como objetivos identificar se há riscos para pacientes com insuficiência cardíaca nos exercícios em imersão e se há riscos envolvendo programas de reabilitação cardiovascular em piscinas com água aquecida a 34ºC. 

Os pesquisadores pretendem ainda comparar resultados entre reabilitação em solo e em piscina com frequência cardíaca máxima e descobrir quais protocolos garantem, de forma segura, resultados eficientes. 

Os pacientes devem ter diagnóstico de insuficiência cardíaca classe funcional I - II e fração de ejeção de 30 a 40. Eles serão submetidos a dois testes de esforço cardiopulmonar, primeiro em solo e depois na piscina. 

A pesquisa será realizada no Instituto de Medicina Física e Reabilitação do HC-FMUSP, na Rua Diderot, 43, Vila Mariana (SP). Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 0/xx/11 5549-0111, ramal 266/256, com Mauricio Koprowski Garcia ou Fabíola Jomar da Silva

CURSO DIRECIONADO PARA CUIDADORES - GRÁTIS

Saiba dos cuidados e dicas que os profissionais podem dar para garantir o cuidado correto dos idosos.


“PROMOVENDO UM OLHAR NA ORIENTAÇÃO DO CUIDADO”

PROGRAMAÇÃO

03/08/2011

8h30 - Introdução do Curso
Fernanda Fávere – Assistente Social

9h às 10h30 - Aspectos Sociais do Envelhecimento
Fernanda Fávere – Assistente Social

10h30 às 11h30 - Cuidado com os pés da pessoa idosa
Maria Lúcia Bergamim - Podóloga

17/082011

9h às 10h - Alimentação Saudável para idosos dependentes
Amabile G.Bezerra - Nutricionista

10h às 11h - Como lidar com as dificuldades de comunicação e engasgo
Daniela Horikawa - Fonoaudióloga


23/08/2011

“Cuidar com qualidade: Orientações de higiene e medicamentos; cuidados com portador de demência e situações de riscos de vida para idosos”
Manoela Pires Couto - Enfermeira


24/08/2011

9h às 10h - Como lidar com as alterações de comportamento Estratégias para estimular a memória. 
A Importância da Independência
Giovanna Amato – Terapeuta Ocupacional

10h às 11h30 – Como prevenir Quedas
Como transferir o idoso no domicílio
Caroline Gomes Ferreira - Fisioterapeuta

30/08/2011

9h às 10h - Cuidados especiais com a Saúde Bucal 
Katya Blat - Dentista

10h00 às 11h30 – Finitude
Isabel Leite - Psicóloga

01/09/2011

9h às 10h30 - Doenças mais comuns na Velhice
Loretta Di Giunta – Geriatra

10h30 às 11h30 – Encerramento

Local: Auditório Dr.Luiz Roberto Barradas Barata – CRI NORTE
Entrada de pedestres: Av. Voluntários da Pátria, 4301 ou Rua Augusto Tolle, 978 - Santana
Entrada de veículo: Rua César Zama, 01 (sem reserva)

Clique aqui para fazer inscrição ou Pessoalmente no Serviço Social no Térreo na sala 47


Vagas Gratuitas e Limitadas/ Inscrições até 01/08/2011
Informações: 2972.9240/2972972.9257

O ESTATUTO DO IDOSO

O Estatuto do idoso, de iniciativa do Projeto de lei nº 3.561 de 1997 de autoria do então deputado federal Paulo Paim, foi fruto da organização e mobilização dos aposentados, pensionistas e idosos vinculados à Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas (COBAP), resultado de uma grande conquista para a população idosa e para a sociedade.
Foi instituída na Câmara Federal, no ano de 2000, uma comissão especial para tratar das questões relacionadas ao Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas, considerando-se a idade cronológica igual ou superior a 60 anos e de dispor de seus direitos fundamentais e de cidadania, bem como a assistência judiciária. 
O idoso possui direito à liberdade, à dignidade, à integridade, à educação, à saúde, a um meio ambiente de qualidade, entre outros direitos fundamentais, cabendo ao Estado, à Sociedade e à família a responsabilidade pela proteção e garantia desses direitos.
No artigo 3º, estabelece: ·A família, a sociedade e o Estado têm o dever de assegurar ao idoso todos os direitos da cidadania, garantindo sua participação na comunidade, defendendo a sua dignidade, bem-estar e direito à vida. O idoso deve ser o principal agente e o destinatário das transformações a serem efetivadas por meio desta política. O idoso não deve sofrer discriminação de qualquer natureza.


OBJETIVO

O Estatuto do Idoso tem como objetivo promover a inclusão social e garantir os direitos desses cidadãos uma vez que essa parcela da população brasileira se encontra desprotegida, foi sancionado pelo presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva, em 1 de outubro de 2003,.
Mais abrangente que a Política Nacional do Idoso, considera os mais velhos como prioridade absoluta e institui penas aplicáveis a quem desrespeitar ou abandonar cidadãos idosos. Entre outras coisas, além do direito de prioridade, garante:
  • A distribuição gratuita de próteses, órteses e medicamentos;
  • Que os planos de saúde não possam reajustar as mensalidades pelo critério de idade;
  • O direito ao transporte coletivo público gratuito e reservas de 10% dos assentos;
  • Nos transportes coletivos estaduais, a reserva de duas vagas gratuitas para idosos com renda igual ou inferior a dois salários mínimos;
  • No Art. 40 (quarenta), inciso II ( segundo) diz: idoso terá desconto de 50% no mínimo, no valor das passagens, para aqueles que excederem as vagas gratuitas destinadas a estes, tendo renda inferior a dois salários mínimos; portanto cabendo aos órgãos competentes destinados a definir os mecanismos e critérios para exercício do inciso 2 (dois).
  • Que nenhum idoso seja objeto de negligência, discriminação, violência, crueldade e opressão;
  • Prioridade na tramitação dos processos, procedimentos e execução dos atos e diligências judiciais;
  • 50% de descontos em atividades de cultura, esporte e lazer;
  • Reserva de 3% de unidades residências nos programas habitacionais públicos;
  • A cargo dos Conselhos Nacional, Estadual e municipais do idoso e do Ministério Público, a fiscalização e controle da aplicação do Estatuto.


Não é o dinheiro, estúpido


Não paute sua vida pelo dinheiro: seja fascinado pelo realizar e o dinheiro virá como consequência

SOU, COM FREQUÊNCIA, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais.

Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.

Sempre digo que a atitude quente é muito mais importante do que o conhecimento frio.

Acumular conhecimento é nobre e necessário, mas sem atitude, sem personalidade, você, no fundo, não será muito diferente daquele personagem de Charles Chaplin apertando parafusos numa planta industrial do século passado.

É preciso, antes de tudo, se envolver com o trabalho, amar o seu ofício com todo o coração.

Não paute sua vida nem sua carreira pelo dinheiro. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como consequência.

Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser um grande bandido ou um grande canalha. Napoleão não conquistou a Europa por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro.

E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham. Porque são incapazes de sonhar. Tudo o que fica pronto na vida foi antes construído na alma.

A propósito, lembro-me de um diálogo extraordinário entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar dos leprosos, diz: "Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo". E ela responde: "Eu também não, meu filho".

Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar e realizar têm trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.

Meu segundo conselho: pense no seu país. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si.

Era muito difícil viver numa nação onde a maioria morria de fome e a minoria morria de medo. Hoje o país oferece oportunidades a todos.

A estabilidade econômica e a democracia mostraram o óbvio: que ricos e pobres vão enriquecer juntos no Brasil. A inclusão é nosso único caminho. Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu vomito. É exatamente isso que está escrito na carta de Laodiceia.

É preferível o erro à omissão; o fracasso ao tédio; o escândalo ao vazio. Porque já li livros e vi filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso (ou narra e fica muito chato!).

Colabore com seu biógrafo: faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido.

Tenho consciência de que cada homem foi feito para fazer história.

Que todo homem é um milagre e traz em si uma evolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro.

Você foi criado para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, caminhando sempre com um saco de interrogações numa mão e uma caixa de possibilidades na outra. Não dê férias para os seus pés.

Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: "Eu não disse? Eu sabia!".

Toda família tem um tio batalhador e bem de vida que, durante o almoço de domingo, tem de aguentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo o que faria, apenas se fizesse alguma coisa.

Chega dos poetas não publicados, de empresários de mesa de bar, de pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta à noite, todo sábado e todo domingo, mas que na segunda-feira não sabem concretizar o que falam. Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.

Só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão. E isso se chama "sucesso".

Seja sempre você mesmo, mas não seja sempre o mesmo.

Tão importante quanto inventar-se é reinventar-se. Eu era gordo, fiquei magro. Era criativo, virei empreendedor. Era baiano, virei também carioca, paulista, nova-iorquino, global.

Mas o mundo só vai querer ouvir você se você falar alguma coisa para ele. O que você tem a dizer para o mundo?


NIZAN GUANAES, publicitário e presidente do Grupo ABC

Cursos e Palestras ( RECICLAGEM )

Cursos e Palestras ( RECICLAGEM )
Informações e reservas