7 de out de 2011

Dia das Crianças: atividades para a família


Passar o dia das crianças de forma bem agradável e feliz não é tarefa difícil, desde que os pais se organizem antecipadamente para isso, levando em conta aquilo que os filhos mais gostam, que é de maior interesse dos mesmos.
Apresentamos aqui algumas sugestões de atividades para serem realizadas dentro e fora de casa, gastando quase nada ou o quanto planejar. É bom lembrar da importância de organizar as tarefas, intercalando-as de forma que em algum momento a criança fique mais tranqüila e em outro mais agitada, pois assim os pais terão mais controle da situação.

1 – Piquenique: prepare uma cesta com alimentos que as crianças gostam, como sanduíches, bolos, tortas doces ou salgadas, bolachas, geléias e algumas guloseimas, e numa caixa térmica coloque sucos, iogurtes, refrigerantes e muita água. Pesquise antecipadamente um local adequado, de preferência onde haja um banheiro próximo, para não terem problemas em não encontrar. Caso seja alguma praça pública verifique antes se a atividade é permitida. Não se esqueça de levar uma toalha bem grande, para que todos os membros da família fiquem sentados. Leve alguns jogos e brinquedos, como quebra-cabeça, bola, desenhos e lápis para colorir, revistas infantis, livros, etc., afinal, as crianças vão querer se divertir muito. E usem roupas bem confortáveis com chapéus e bonés, além do filtro solar, é claro.

2 – Barraca ou Tenda de lençol: se a família não fizer algum acampamento, monte a barraca no quintal de sua casa, como se fosse uma sala de diversão, com jogos e brinquedos. Outra idéia é que, se for possível, todos poderão dormir na mesma, de véspera, pois criará um clima de muita ansiedade e felicidade nas crianças. Caso não tenha uma barraca, monte uma tenda num local da casa como num quarto ou na própria sala. Coloque uma televisão e um dvd dentro e assistam a um bom filme ou aproveitem o espaço para brincar de casinha, ler histórias ou contar segredos.
3 – Atividades de artes: Imprima de nossa página desenhos para pintar, atividades de liga ponto e divirtam-se juntos. Recortem papéis coloridos de várias cores, em quadradinhos pequenos e montem um mosaico. Outra idéia é comprar folhas de papel craft ou pardo e utilizá-las para pintura com tinta guache. Essas atividades são muito interessantes, pois exigem um nível de concentração grande e as crianças ficam mais quietas.
4 – Passeio numa praça ou zoológico: as crianças adoram esses passeios ao ar livre. Poderão conversar muito sobre suas vidas ou mesmo sobre a natureza, comer pipoca, dar sobras de pão para patinhos numa lagoa, andar de bicicleta, etc. É bom lembrar que não é dia de dar sermões sobre fatos ocorridos anteriormente, sobre notas baixas na escola, mas um dia de muito companheirismo e diversão. Caso a criança transgrida alguma regra, converse firmemente com ela, explicando-lhe que é um dia especial e que não é correto estragar a programação da família.
5 – Cinema: escolha um filme em cartaz, que seja do interesse da criança e adequado à sua idade e juntos, assistam ao mesmo com muita pipoca, é claro.
6 – Teatro e grupos de contação de histórias: essas são atividades muito adequadas para os pequenos, podendo ser encontradas em shoppings ou feiras livres. Existem ainda as peças infantis apresentadas em teatros locais, mas os ingressos deverão ser adquiridos antecipadamente para não frustrarem os filhos caso não os encontrem. Os pais poderão pesquisar antecipadamente, num jornal de circulação local, o que as prefeituras de suas cidades estão organizando.
7 – Parque de Diversões: levar as crianças ao parque é muito gostoso, pois elas se sentem encantadas com o mesmo. Se o parque for de brinquedos em areia, leve baldes e outros brinquedos adequados para juntos fazerem castelos. Lembre-se de pesquisar se o parque tem lanchonete, pois as crianças podem ficar com fome, além de precisarem consumir muita água. Caso o parque seja de brinquedos eletrônicos, programe antes quanto irão gastar e reserve o dinheiro das despesas já em casa, mostrando para as crianças que existe um limite para isso. Assim, saberão o quanto podem gastar e ficarão conformadas quando o dinheiro acabar.
8 – Hotéis fazenda: estes também são de ótima aceitação pelas crianças, podendo a família se programar para passar o dia. Normalmente nesses locais existem passeios de charrete, pôneis ou cavalos, brincadeiras com monitores, tirolesa, pescaria, dentre outras. Será uma ótima diversão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não é o dinheiro, estúpido


Não paute sua vida pelo dinheiro: seja fascinado pelo realizar e o dinheiro virá como consequência

SOU, COM FREQUÊNCIA, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais.

Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.

Sempre digo que a atitude quente é muito mais importante do que o conhecimento frio.

Acumular conhecimento é nobre e necessário, mas sem atitude, sem personalidade, você, no fundo, não será muito diferente daquele personagem de Charles Chaplin apertando parafusos numa planta industrial do século passado.

É preciso, antes de tudo, se envolver com o trabalho, amar o seu ofício com todo o coração.

Não paute sua vida nem sua carreira pelo dinheiro. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como consequência.

Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser um grande bandido ou um grande canalha. Napoleão não conquistou a Europa por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro.

E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham. Porque são incapazes de sonhar. Tudo o que fica pronto na vida foi antes construído na alma.

A propósito, lembro-me de um diálogo extraordinário entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar dos leprosos, diz: "Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo". E ela responde: "Eu também não, meu filho".

Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar e realizar têm trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.

Meu segundo conselho: pense no seu país. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si.

Era muito difícil viver numa nação onde a maioria morria de fome e a minoria morria de medo. Hoje o país oferece oportunidades a todos.

A estabilidade econômica e a democracia mostraram o óbvio: que ricos e pobres vão enriquecer juntos no Brasil. A inclusão é nosso único caminho. Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu vomito. É exatamente isso que está escrito na carta de Laodiceia.

É preferível o erro à omissão; o fracasso ao tédio; o escândalo ao vazio. Porque já li livros e vi filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso (ou narra e fica muito chato!).

Colabore com seu biógrafo: faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido.

Tenho consciência de que cada homem foi feito para fazer história.

Que todo homem é um milagre e traz em si uma evolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro.

Você foi criado para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, caminhando sempre com um saco de interrogações numa mão e uma caixa de possibilidades na outra. Não dê férias para os seus pés.

Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: "Eu não disse? Eu sabia!".

Toda família tem um tio batalhador e bem de vida que, durante o almoço de domingo, tem de aguentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo o que faria, apenas se fizesse alguma coisa.

Chega dos poetas não publicados, de empresários de mesa de bar, de pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta à noite, todo sábado e todo domingo, mas que na segunda-feira não sabem concretizar o que falam. Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.

Só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão. E isso se chama "sucesso".

Seja sempre você mesmo, mas não seja sempre o mesmo.

Tão importante quanto inventar-se é reinventar-se. Eu era gordo, fiquei magro. Era criativo, virei empreendedor. Era baiano, virei também carioca, paulista, nova-iorquino, global.

Mas o mundo só vai querer ouvir você se você falar alguma coisa para ele. O que você tem a dizer para o mundo?


NIZAN GUANAES, publicitário e presidente do Grupo ABC

Cursos e Palestras ( RECICLAGEM )

Cursos e Palestras ( RECICLAGEM )
Informações e reservas